5 Formas de tornar o corpo à prova da idade enquanto ainda vai a tempo

Photo Credit: kurhan / Shutterstock.com

Fotografia: kurhan / Shutterstock.com

Artigo original [link], publicado a 2 de Outubro de 2014.

Autor: April M. Short

 

 

 

 

 

Apesar da esperança média de vida para homens norte americanos ser de 77 anos de idade, o nosso corpo começa a perder a sua força mais cedo do que possamos pensar. “Começamos a perder força durante os nossos vinte” – disse Jordan Metzl, um médico desportivo em Manhattan numa entrevista à revista GQ.

Nos nossos antepassados primitivos, os seres humanos viviam até cerca dos 30 anos, e os nossos corpos ainda não evoluíram para acompanhar a longevidade dos dias de hoje, segundo um recente artigo publicado na revista GQ “How to Old-Proof Your Body (While You’re Still Young).”.

Então, chegamos ao nosso pico aos 30 e a partir daí vai tudo por água abaixo.

Mas não devemos stressar, porque se começarmos agora existem (embora às vezes extenuantes) pequenos passos que podemos tomar para melhorar as nossas hipóteses contra a inevitável morte.

 

Aqui estão 5 dicas que a GQ tem para tornar o nosso corpo à prova de idade:

(estas dicas foram centradas para os homens, mas as seguintes podem ser aplicadas para ambos os sexos)

 

1 Cárdio previne perda de memória

Isto de acordo com os autores de um estudo realizado no Centro de Pesquisa em Epidemiologia e Saúde Populacional em França. Este estudo revela que a nossa memória pode começar a falhar no inicio dos nossos 45 anos, e sugere que a saúde do coração é equivalente à nossa saúde mental.

 

2 Alongue as articulações com um rolo de espuma

“Todos os dias, pegue num rolo de espuma – aqueles troncos compridos que existem nos ginásios, que parecem armas de gladiadores – alongue e role sobre cada zona de maior densidade muscular, durante um minuto cada.

 

3 Alongar durante o dia mantém a corcunda à distância

“Pense em todos os tipos de movimentos diários, quer seja escrever ao teclado ou limpar o cu: é tudo uma questão de inclinação dianteira…Assim, após algumas horas de trabalho, coloque as mãos atrás da nuca e alongue durante alguns minutos; vai alongar o tórax e dobrar-se para trás numa posição vertical.”

4 Exercício de baixo impacto, cálcio e vitamina D ajudam a mantermo-nos direitos, literalmente

“[Homens] perdem cerca de meia polegada (1.27cm) a cada 10 anos, a partir dos 40 anos de idade,” explica GQ. O médico Jeffrey Goldstein da universidade de Nova York, diz que isto se deve à degeneração dos discos da coluna vertebral e ao enfraquecimento dos ossos. “Isto verifica-se mais rapidamente para os corredores, trabalhadores de trabalho pesado e para as pessoas que colocam stress nas suas espinhas, ” escreveu GQ.

5 Não vai viver até aos 90 se tiver excesso de peso

Lew Hollander, o competidor da etapa Ironman mais velho do mundo com 84 anos, disse à GQ: “Não existem pessoas de muita idade com excesso de peso. Mostrem-me uma. Mostrem-me uma pessoa com 90 anos que seja obeso. Elas não existem! Quem tem 90 anos? O pequeno velhote – bem, ele não se encontra obeso, e foi assim que ele chegou àquela idade.”

 

Para obter mais dicas específicas de exercício, leia o artigo GQ.

As 7 coisas mais úteis que podemos dizer a alguém com depressão

Artigo original [link], publicado a 11 de Setembro de 2014.

Autor: 

d1

A depressão tem uma maneira de ser uma consumidora de uma batalha monstruosa.

Afecta-nos drasticamente fisicamente e emocionalmente. É muita vez estigmatizada. Mas talvez uma das maiores lutas para quem sofre com depressão, é o sentimento de mais ninguém no mundo poder realmente entender o que estão a passar.

Todavia, este sentimento de isolamento providencia uma das melhores oportunidades para os mais próximos ajudarem, explica Gregory Dalack, M.D., presidente do departamento de psiquiatria da Universidade de Michigan.

O importante é ajudar a pessoa a perceber que entendemos que esta está doente.

Muitas pessoas vêem a depressão como uma espécie de falha de carácter. É importante dizer às pessoas que entendemos que a depressão é uma doença, e que esta precisa de ser tratada.”

Diz Gregory Dalack ao The Huffington Post.

É um facto, a depressão não é uma batalha fácil – mas não precisamos de sofrer de depressão, para sermos uma fonte de conforto para aquelas que sofrem de depressão. Se quer ajudar uma pessoa com depressão mas não sabe exactamente o que dizer, peritos em saúde mental oferecem sete sugestões – e explicam o porquê destas frases importarem.

 

 

1 “Estou aqui para ti.”

d2

Por vezes os menores gestos percorrem um longo caminho, explica Dalack. Ao dizermos a alguém que está a sofrer com depressão que estamos disponíveis para ela – e em seguida mostrar-mos realmente isso – estamos provavelmente a ajudar mais do que imaginamos. “Precisamos de um pouco de reflexão e pensamento para sermos solidários”, diz Dalack. “Membros da familia, amigos e outras pessoas importantes, têm a oportunidade de ajudar de forma não crítica – mesmo que seja apenas a ajudar as pessoas a ir a consultas, tomarem medicação ou a terem uma rotina diária.”

 

2 “Não estás sozinho/a”

A depressão pode ser sentida como se tivéssemos a conduzir ao longo de um túnel escuro sozinhos. É importante que os entes queridos deixem claro para aqueles que sofrem, que estes não têm de navegar pela jornada sozinhos, diz Adam Kaplin, M.D, um professor adjunto nos departamentos de psiquiatria e neurologia da Universidade Johns Hopkins.

Pode parecer incrivelmente triste para eles agora…

Mas é importante lembrá-los de que os sentimentos são apenas temporários e que vamos estar sempre ao lado deles. Dizer:’És tu e eu contra a depressão, e vamos vencer.’ “ – Adam Kaplin

 

3 “A culpa não é tua.”

d3

Dizermos aos nossos entes queridos que a depressão não é culpa deles, é um factor crucial para o processo de cicatrização, diz Dalack. “Por vezes pessoas com depressão sentem que isto acontece porque existe algo de errado com eles” explica Dalack. “Quando temos uma gripe, não nos lembramos qual é a sensação de nos sentirmos bem. Bem quando o cérebro é o principal alvo da doença, é ainda mais difícil de lidar, porque a mente é afectada juntamente com o resto do corpo – mas pensamos que culpa é nossa. É importante que eles saibam que entendemos que eles estão a sofrer de uma doença, quase da mesma forma como eles sofrem com a gripe.”

Para aqueles que não entendem as causas complicadas de uma depressão, dizer a alguém para se “animar” ou perguntar por que razão haveriam de estar tristes, pode parecer lógico.

Todavia, este tipo de perguntas pode sugerir que a depressão é algo que estas pessoas estão a escolher viver, diz Dalack.

“Este tipo de frases implicam que há algo que a pessoa está a fazer para estar naquele estado depressivo” diz Dalack. “Não é um opção delas, como não é opção nossa apanhar a gripe. Não fomos nós que pedimos e não somos nós que vamos sair dela. Se não pensarmos na depressão da mesma forma, aumentamos a probabilidade de alguém vitimizar-se.”

 

4 “Eu vou contigo.”

Isto aplica-se a sessões de terapia, consultas médicas ou até ir à farmácia. “Não vai ser uma cura da noite para o dia, mas estar lá durante o processo de tratamento pode ajudá-los a ultrapassar,” diz Dalack. A única coisa mais difícil do que incentivar alguém a procurar tratamento é fazê-los seguir em frente e concluí-lo. Ao nos disponibilizarmos a ir com eles, não estamos apenas a ser solidários, como também estamos a dizer-lhes que aquilo que têm possui cura, e que não estamos a desprezar, como sendo algo de pouca importância.”

 

5 “O que posso fazer por ti?”

d4

Outra forma de sermos solidários é fazer algo activo, diz Kaplin. Ao oferecer fazer algo com eles – quer seja ir dar uma caminhada ou apenas estar sentados no sofá – estamos a transmitir a mensagem de que estamos abertos para sermos uma fonte de conforto. E significa também manter um normal programa do dia-a-dia.

“É importante ajudar as pessoas que sofrem com depressão, encorajando-as a continuar a fazer as coisas necessárias para que estas mantenham o seu equilíbrio diário” explica Keplin. “Isso inclui manter uma rotina para dormir, comer, exercitar e socializar. Parece simples mas são aspectos extremamente importantes.”

 

6 “Que tipo de pensamentos estas a ter?”

Kaplin salienta a importância do check-in diário com os entes queridos, quando estes estão a lutar contra a doença. Isto inclui discutir pensamentos suicidas, não importa o quão desconfortável possa ser.

“Não tenha medo de perguntar aos seus entes queridos o que estão a pensar…

A depressão pode ser uma doença letal. A mentalidade ‘não pergunto, nem digo nada’ é um dano grave, colocando as pessoas para enterro. Perguntar nunca coloca as pessoas piores – ao não perguntar corremos sérios riscos de não saber sobre algo terrível.” – Kaplin

Quando chega ao ponto de perguntar a alguém se tem pensamentos suicidas, Kaplin diz que a melhor forma é abordar o tema com compaixão. “Tem de normalizar os pensamentos, mas estigmatizar o comportamento.”, diz Kaplin.

“Explicar que é normal ter esse tipo de pensamentos com depressão, mas que o suicídio como resultado desses pensamentos não deve ser uma opção.”

 

7 Absolutamente Nada.

200339250-001

Por vezes, a nossa simples presença pode ser suficientemente favorável para quem está a sofrer de depressão, diz Kaplin. O que podemos pensar como sendo uma acção simples, pode realmente ser um grande gesto.

“Um componente importante para ajudar pessoas é de apenas aparecer” diz Kaplin.

“A coisa mais importante que podemos dizer, são as nossas acções bem como as nossas palavras. Isto permite que essa pessoa saiba que não estamos a desistir. E mostra que estamos lá para eles. ”

Dr. Gabor Maté: Consequências do Stress Parental

O Dr. Gabor Maté fala sobre a relação entre pais stressados e do predomínio de doenças comuns na infância, como o Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), (em inglês Attention Deficit/Hyperactivity Disorder, ADHD), autismo e transtorno desafiador opositivo, na conferência KMT Child Development & Community.

 

5 Alucinantes Factos Sobre a Ayahuasca

Artigo original disponível em [link], publicado a 14 de Julho de 2014.

 

A popularidade da Ayahuasca está a crescer em todo o mundo, graças à sua incrível capacidade de tratar e curar a depressão, ansiedade, transtorno de stress pós-traumático e vários problemas de saúde física e mental.

Este chá medicinal sagrado Sul-americano, contém a potente substância química e psicadélica N,N-dimetiltriptamina, induz visões intensas, introspecção e experiências místicas.

Toda a experiência da ayahuasca tem a duração de aproximadamente 8 horas, muitas vezes é acompanhada de vómitos e ocasionalmente, diarreia, ao que os nativos chamam de ‘la purga’ a purgação.

Este processo de purificação é clinicamente benéfico, uma vez que retira do corpo o trauma emocional construído, vermes e outros parasitas.

 

ayahuascaConfira estes 5 alucinantes factos sobre a ayahuasca:

1- Pesquisas indicam que a ayahuasca contém qualidades antidepressivas.

Exames feitos ao sangue de utilizadores de longo prazo de ayahuasca, têm demonstrado um aumento da densidade de receptores de serotonina em comparação com aqueles que não a consomem.

É de referir que a classe (ISRS ) de antidepressivos inibidores da recaptação da serotonina (Prozac, Zoloft, Paxil, etc), na verdade reduzem a densidade de receptores de serotonina nos utilizadores de longo prazo, o que pode levar a depressão crónica.

A ayahuasca não é viciante e não é neurotóxica, nem de qualquer forma venenosa para os tecidos nervosos do cérebro ou da medula espinal.

 

2- Das quase 40 mil espécies de plantas existentes na Amazónia, os indígenas souberam de alguma forma misturar duas plantas muito específicas para criar o remédio: a videira de ayahuasca (Banisteriopsis caapi) e as folhas do arbusto Psychotria viridis.

A videira da ayahuasca contém químicos inibidores da monoamina oxidase (IMAO), que permitem que o nosso corpo absorva a DMT(dimetiltriptamina) a partir das folhas.

Sem estes químicos inibidores, a DMT seria destruída pela monoamina-oxidase existente no nosso intestino, e não eram sentidos os efeitos da DMT.

Os nativos que têm utilizado a bebida ao longo de centenas de anos, dizem que as plantas mostraram-lhes como fazer a ayahuasca.

 

3 – O Turismo relacionado com a ayahuasca tem vindo a crescer, à medida que pessoas de todo o mundo se encontram a viajar para a Amazónia à procura do curativo.

Na América Central e do Sul a ayahuasca é legal, e há muitos centros de retiro e alojamentos ecológicos, dedicados ao turismo da ayahuasca e à cura.

Ver artigo publicado. 

4- Cada vez mais veteranos de guerra estão a tentar ayahuasca para a cura do stress pós-traumático.

A ayahuasca é conhecida por enviar os seus utilizadores para um estado de sonho onde as memórias traumáticas presas no subconsciente são desbloqueadas. Estas memórias são reprocessadas, onde são separados o medo e as emoções negativas, tornando a ayahuasca um tratamento viável para o transtorno do stress pós-traumático, da ansiedade e depressão.

 

5- Duas grandes religiões utilizam a ayahuasca numa base regular como sacramento, dizem que as conecta a Deus: o Santo Daime e os União de Vegetal.

Ambos os grupos religiosos ganharam processos judiciais nos EUA, dando-lhes o direito de consumir ayahuasca no solo dos EUA.

30 Coisas que deve começar a fazer por si próprio.

Self-improvement-is-about-how-you-feel

 

 

 

Artigo original disponível em [link].

 

#1 Comece a passar mais tempo com as pessoas certas. – Estas pessoas são aquelas de quem gostamos, que nos amam e nos apreciam, que nos incentivam a melhorar de forma emocionante e saudável. São quem nos fazem sentir mais vivos e não só nos aceitam como somos agora, como também nos abraçam e aceitam incondicionalmente quem nós gostaríamos de vir a ser.

 

#2 Comece a encarar os seus problemas de frente. – Não são os nossos problemas que nos definem, mas sim como reagimos e recuperamos a partir deles. Os problemas não desaparecem se não tomarmos acção. Temos de fazer o que podemos, quando podemos, e tomar conhecimento do que fizemos. É tudo uma questão de dar pequenos passos na direcção certa, centímetro a centímetro. Estes centímetros contam, eles somam-se em metros e quilómetros a longo prazo.

 

#3 Comece a ser honesto consigo em relação a tudo. – Sejamos honestos com o que está certo, assim como o que precisa de ser mudado. Devemos ser honestos com o que pretendemos alcançar e quem nos queremos tornar. Devemos ser sempre honestos em todos os aspectos da nossa vida. Porque nós somos a única pessoa com quem podemos sempre contar. Devemos pesquisar a nossa alma, pela verdade, para que consigamos ver quem realmente somos. Uma vez que tenhamos feito isso, vamos ter uma melhor compreensão de onde estamos e como aqui chegámos, e ficamos mais bem equipados para identificar onde queremos ir e como chegar lá.

 

#4 Comece a tornar a sua felicidade uma prioridade. – As nossas prioridades importam. Se não nos valorizamos a nós próprios, temos de olhar para nós, e acreditar em nós próprios, caso contrário estamo-nos a sabotar. Não nos podemos esquecer que é possível cuidar das nossas próprias necessidades, ao mesmo tempo que cuidamos das pessoas à nossa volta. E uma vez que sejam atendidas as nossas necessidades, provavelmente seremos mais capazes de ajudar aqueles que mais precisam.

 

#5 Comece a ser você próprio genuinamente e orgulhosamente. – Tentar sermos outra pessoa é desperdiçar a pessoa que realmente somos. Devemos ser nós próprios. Abraçar a pessoa que temos dentro de nós, que tem ideias, força e beleza como mais nenhuma. Ser a pessoa que conhecemos – a melhor versão de nós próprios – nos nossos termos. Acima de tudo sermos verdadeiros connosco próprios, e se não seguirmos com o nosso coração vale mais esquecer.

 

#6 Comece a viver e a perceber no presente. – O agora é um milagre. O agora é o único momento que nos é garantido. O agora é a vida. Devemos parar de pensar como as coisas vão ser no futuro. Parar de determo-nos por coisas que aconteceram ou deixaram de acontecer no passado. Aprender a estar no “aqui e agora” e viver a vida à medida que está a acontecer. Apreciar no momento a beleza que o mundo tem.

 

#7 Comece a valorizar as lições que os nossos erros nos dão. – Errar é normal; são os degraus do progresso. Se não cairmos de vez em quando, é porque não nos estamos a esforçar o suficiente e não estamos a aprender. Devemos arriscar, tropeçar, cair e em seguida levantar e tentar novamente. Apreciar o facto de nos estarmos a esforçar, a aprender, a crescer e a melhorar. As conquistas significativas são invariavelmente realizadas no final de um longo caminho de tentativas falhadas. Um dos “erros” que podemos temer pode ser apenas o elo de ligação para o nosso maior feito.

 

#8 Comece a ser mais educado consigo próprio. – Se tivesse um amigo que falasse para nós da mesma forma que falamos para nós próprios, quanto tempo permitíamos essa pessoa ser nossa amiga? A maneira como nos tratamos a nós próprios estabelece um padrão para os outros. Devemos amar quem nós somos, mais ninguém o vai fazer.

 

#9 Comece a desfrutar das coisas que já tem. – O problema com a maioria de nós é que achamos que vamos ser mais felizes quando alcançarmos um determinado nível na vida – um nível de vida que vemos nos outros – o nível que o nosso chefe tem com o seu escritório de cubículo, o amigo do nosso amigo que tem uma mansão na praia, etc. Infelizmente demora algum tempo até atingirmos esse nível, e quando o alcançarmos vamos ter outro destino já em mente.

Vamos passar o resto da vida toda a trabalhar para algo de novo, sem nunca parar para apreciar as coisas que temos agora. Devemos por isso fazer um minuto de silêncio todas as manhãs ao acordar, para apreciar onde estamos e o que já temos.

 

#10 Comece a criar a sua própria felicidade. – Se estivermos à espera de alguém para nos fazer feliz, estamos a perder tempo. Sorria porque você pode. Escolha a felicidade. Devemos ser a diferença que queremos ver no mundo. Devemos ser felizes com quem somos agora, e deixar a nossa positividade inspirar a nossa jornada para o dia de amanhã. A felicidade é frequentemente encontrada quando e onde a decidimos procurar. Se procurarmos a felicidade dentro das oportunidades que temos, vamos acabar por encontrá-la. Mas se olharmos constantemente para outra coisa, infelizmente é isso que vamos acabar por encontrar. Ler Stumbling on Happiness.

 

#11 Comece a dar oportunidade às suas ideias e aos seus sonhos. – Na vida raramente se trata de ter oportunidades, trata-se mais de dar uma oportunidade. Nunca vamos ter 100% a certeza que vai funcionar, mas podemos estar sempre 100% certos que não fazer nada não vai funcionar. Na maioria das vezes só temos de ir em frente e arriscar! E não importa o que acontece, as coisas acabam sempre por ficar da forma como deviam acabar. Ou se tem sucesso ou se acaba por aprender. Ganhamos na mesma.

 

#12 Comece a acreditar que estamos prontos para o passo seguinte. – Estamos prontos! Devemos pensar nisso. Temos tudo o que necessitamos para darmos o próximo pequeno passo em frente. Devemos aproveitar as oportunidades que temos à nossa frente e aceitar os desafios – são pequenos presentes que nos ajudam a crescer.

 

#13 Comece a ter novos relacionamentos pelo motivo certo. – Devemos participar em novas relações com pessoas confiáveis, honestas e que sejam um reflexo da pessoa que nós somos e que nós queremos vir a ser. Devemos escolher amigos dos quais temos orgulho em conhecer, pessoas que admiramos, que nos mostram amor e respeito – pessoas que retribuem a nossa bondade e o nosso compromisso. E devemos prestar atenção ao que as pessoas fazem, porque as acções de uma pessoa são muito mais importantes do que palavras, ou como, outras pessoas as representam.

 

#14 Comece a dar oportunidades às novas pessoas que conhecemos. – Pode parecer duro, mas não podemos manter todos os amigos que já fizemos. As pessoas e as prioridades mudam. À medida que uns relacionamentos acabam outros começam a dar fruto. Devemos apreciar as possibilidades de novos relacionamentos à medida que deixamos ir outros mais antigos que não funcionam. Devemos confiar no nosso bom senso. Devemos abraçar novos relacionamentos, sabendo que estamos a entrar em território desconhecido. Estarmos prontos para aprender, prontos para o desafio, e prontos para encontrar alguém que pode mudar a nossa vida para sempre.

 

#15 Comece a competir com a versão antiga de si próprio. – Deixar-nos inspirar por outros, inspirar-nos com outros, mas sabendo que competir com eles é um desperdício de tempo. Estamos a competir apenas e somente com uma única pessoa – nós próprios. Estamos a competir para ser o melhor que podermos ser. Devemos ter como objectivo quebrar os nossos próprios recordes pessoais.

 

#16 Comece a torcer pelas vitórias de outras pessoas. – Começar a perceber o que gostamos sobre os outros e dizer-lhes. Poder apreciar o quão incrível as pessoas que temos à nossa são, conduz a bons lugares – produtivos, de realização e lugares pacíficos. Devemos ser felizes por aqueles que estão a fazer progresso. Torcer pelas suas vitórias. Sermos abertamente gratos pelas sua bênção. O que vai, mais tarde ou mais cedo volta e as pessoas por quem estamos a torcer começam a torcer por nós.

 

#17 Comece a ver o lado positivo nas situações mais difíceis. – Quando as coisas estão difíceis e nos sentimos em baixo, devemos parar respirar fundo e ver o lado positivo – os pequenos sinais de esperança. Lembrar-nos que podemos e vamos crescer mais fortes a partir desses tempos difíceis. E permanecer consciente das nossas bênçãos e vitórias – e de todas as coisas certas na nossa vida. Devemos estar concentrados no que temos, e não no que não temos.

 

#18 Comece a perdoar os outros e a nós próprios. – Todos nós já fomos feridos pelas nossas decisões e pelos outros. Enquanto a dor destas experiências é normal, por vezes perduram por muito tempo. Nós voltamos a reviver a dor e temos dificuldade em a deixá-la ir. Perdoar é o remédio. Não significa que estamos a apagar o passado, ou a esquecer o que aconteceu. Significa que estamos a deixar de lado o ressentimento e a dor, e escolher aprender com o incidente e seguir em frente com a vida.

 

#19 Comece a ajudar os que estão à nossa volta. – Devemos preocupar-nos com as pessoas. Devemos guiá-las se soubermos um melhor caminho. Quanto mais ajudarmos os outros, mais os outros nos vão querer ajudar. Amor e bondade gera amor e bondade. E assim por diante.

 

#20 Comece a ouvir a sua voz interna. – Se ajudar, podemos discutir as nossas ideias com os que nos são mais próximos, mas devemos manter espaço suficiente para seguir a nossa própria intuição. Devemos ser fieis a nós próprios. Dizer o que temos a dizer. Fazer o que acharmos certo no nosso coração.

 

#21 Comece a estar atento aos seus níveis de stress e fazer curtas pausas. – Desacelere. Respire. Dê permissão para fazer uma pausa, reagrupar e avançar com clareza e propósito. Quando nos encontramos mais ocupados, um breve intervalo pode rejuvenescer a nossa mente e aumentar a nossa produtividade. Estes pequenos intervalos podem-nos ajudar a recuperar a sanidade e reflectir sobre as nossas acções mais recentes, e termos a certeza que estas estão em linha com os nossos objectivos.

 

#22 Comece a reconhecer a beleza nos pequenos momentos. – Em vez de esperar que aconteçam coisas grandes – como casamento, filhos, boa promoção laboral, ganhar a lotaria – devemos encontrar felicidade nas pequenas coisas que acontecem todos os dias. Pequenas coisas como ter uma pequena caneca de café pela manhã, ou o delicioso sabor e cheiro de uma refeição caseira, ou o prazer de partilhar algo que gostamos com outra pessoa, ou andar de mãos dadas com o nosso amor. Dar valor aos pequenos prazeres diariamente, faz uma grande diferença na nossa qualidade de vida.

 

#23 Comece a aceitar as coisas mesmo quando estão perfeitas. – Temos de nos lembrar que a “Perfeição” é a inimiga do “Bom”. Um dos maiores desafios para as pessoas que se querem melhorar a si próprios e o mundo, é aprender a aceitar as coisas como elas são. Às vezes é melhor aceitar e apreciar o mundo como ele é, e as pessoas como elas são, do que tentar fazer com que tudo e todos estejam em conformidade com um ideal impossível. Não, não devemos aceitar uma vida medíocre, mas devemos aprender a amar e valorizar as coisas quando elas são menos do que perfeitas.

 

#24 Comece a trabalhar na direcção dos seus objectivos. – Uma viagem de mil milhas começa com um pequeno passo. Seja qual for o nosso sonho, devemos começar a tomar pequenos passos lógicos todos os dias para que este aconteça. Ir em frente e fazer qualquer coisa! Quanto mais arduamente trabalharmos mais sorte iremos ter. Enquanto muitos de nós durante o decorrer das nossas vidas escolhemos seguir a nossa vocação, apenas alguns astutos de nós acabam realmente por trabalhar para isso. Quando digo “trabalhar para isso”, quero dizer consistentemente dedicando-nos ao resultado final. Ler The 7 Habits of Highly Effective People.

 

#25 Comece a ser mais aberto sobre a forma como se sente. – Se estamos a sofrer, devemos dar o espaço e o tempo necessário para sofrermos, mas devemos estar abertos sobre isso. Falar com quem nos é mais próximo. Devemos dizer-lhes a verdade como nos sentimos. Deixe-os ouvir. O simples facto de tirar coisas do peito é o primeiro passo para nos sentir bem novamente.

 

#26 Comece a tomar plena responsabilidade pela sua própria vida. – Devemos reconhecer as nossas escolhas e os nossos erros, e estarmos dispostos a tomar as medidas necessárias para melhorar com elas. Se não tomarmos plena responsabilidade, alguém o vai fazer. E quando alguém o fizer, vamos ser escravos das suas ideias e sonhos em vez de sermos nós os pioneiros. Somos os únicos que podemos controlar directamente o resultado da nossa vida. E nem sempre vai ser fácil. Cada pessoa tem um monte de obstáculos em frente dela. Mas temos que assumir a responsabilidade pela nossa situação e superar os nossos obstáculos. Se não o fizermos, é escolher uma vida de mera existência.

 

#27 Comece a estimular os seus relacionamentos mais importantes. – Devemos trazer alegria honesta e verdadeira para a nossa vida e para a vida daqueles que amamos, dizendo-lhes simplesmente o quanto eles significam para nós regularmente. Não podemos ser tudo para todos, mas podemos ser tudo para algumas pessoas. Devemos decidir quem estas pessoas são na nossa vida e tratá-los como realeza. Devemos lembrar-nos que não precisamos de ter um número certo de amigos, apenas um número de amigos que podemos ter a certeza.

 

#28 Comece a concentrar-se nas coisas que pode controlar. – Não podemos mudar tudo, mas podemos sempre mudar alguma coisa. Desperdiçar o nosso tempo, talento e energia emocional em coisas que não podemos controlar é uma receita para frustração, miséria e estagnação. Devemos investir a nossa energia nas coisas que podemos controlar e agir sobre alas agora.

 

#29 Comece a concentrar-se na possibilidade de resultados positivos. – A mente tem de acreditar que pode fazer alguma coisa antes que seja capaz de realmente fazê-lo. O caminho para superar pensamentos negativos e emoções destrutivas é desenvolver emoções opostas positivas que são mais fortes e poderosas. Devemos ouvir a nossa voz própria, e substituir pensamentos negativos por positivos. Independentemente da situação, devemos estar focados no que queremos que aconteça e em seguida, dar o próximo passo positivo. Não podemos controlar tudo o que nos acontece, mas podemos controlar a forma como reagimos às coisas que nos acontecem. Todas as pessoas têm aspectos positivos e negativos na sua vida – a forma como nos concentramos nas coisas vai influenciar o nosso sucesso e a nossa felicidade no futuro. Ler The How of Happiness.

 

#30 Comece a apreciar o quanto rico está agora. – Henry David Thoreau disse: “A riqueza é a capacidade de viver a vida plenamente”. Mesmo quando os tempos estão difíceis, é sempre importante manter as coisas em perspectiva. Não vamos dormir à com fome. Não vamos dormir na rua. Podemos escolher a roupa que vamos vestir de manhã. Mal transpirámos hoje. Não passamos um único minuto com medo. Temos acesso a água potável. Temos acesso a cuidados médicos. Temos acesso à Internet. Sabemos ler. Podemos dizer que somos incrivelmente ricos, por isso devemo-nos lembrar de ser gratos por todas as coisas que temos.

Dr. James Gilligan – A Juventude e a violência e o papel de soluções inspiradoras na educação

jamesgilliganDr. James Gilligan pertence ao corpo de docentes da Universidade de Nova York, onde é professor clínico de Psiquiatria da Faculdade de Medicina, Professor Adjunto da Faculdade de Direito e Professor na Escola de Artes e Ciências.

 

Durante 30 anos o Dr. Gilligan pertenceu ao departamento de Psiquiatria da Harvard Medical School, onde desempenhava as funções de director dos serviços de saúde e de prevenção da violência mental, no sistema prisional de Massachusetts.

Actuou como consultor em crimes violentos e punições, incluindo crimes de guerra, pelos Estados Unidos e por todo o mundo.

 

O Dr. Gilligan é autor de vários livros, incluindo Violence: Reflections on a National Epidemic; Preventing Violence (Prospects for Tomorrow).

Nas suas obras, Dr. Gilligan argumenta que sentimentos de vergonha e de humilhação são a raiz da violência individual e colectiva. A violência em suas diversas formas torna-se, assim, uma tentativa desesperada e arriscada para adquirir respeito e reconhecimento.

 

O Dr. Gilligan tornou-se um dos principais expoentes na mudança da nossa ênfase de punir a violência depois desta ocorrer, para a preocupação de impedi-la antes que esta aconteça.

 

Ayahuasca/DMT pode efectivamente tratar o Cancro.

ayahuascaArtigo original[link], publicado a 4 de Fevereiro de 2014.

Autor: Cassius Methyl.

Eduardo Schenberg da Universidade de São Paulo, Brasil, publicou recentemente um artigo no Sage Journals, detalhando a sua crença da habilidade da Ayahuasca  no combate contra o cancro, e incentivando essencialmente a legalização das pesquisas nesta área.

Diz ele: “Existem suficientes evidências que os princípios activos da Ayahuasca, especialmente o DMT e a harmine, têm efeitos positivos em algumas culturas de células utilizadas para o estudo do cancro e em processos bioquímicos importantes no tratamento do cancro, tanto in vitro como in vivo,” e “Por isso, os poucos relatos disponíveis de pessoas que beneficiaram da Ayahuasca nas suas experiências de tratamento do cancro deviam ser levadas a sério, e a hipótese apresentada aqui que pode ser completamente testada através de uma experimentação cientifica rigorosa, que ajude a entender os casos disponíveis e pavimentar o caminho para novas experiências.”

“Em sumário, a hipótese que as acções combinadas da Betacarbolina e do DMT presentes na Ayahuasca podem diminuir o fornecimento de sangue para o tumor, activar vias apopóticas, diminuir a proliferação celular e mudar o desequilíbrio metabólico energético das células cancerígenas, que é conhecido como o efeito Warburg”, escreveu Schenberg.

“Por isso, Ayahuasca pode agir sobre as características do cancro, como a Angiogênese, a Apoptose e o metabolismo celular.”

“Se for cientificamente provado que a Ayahuasca tem o potencial para a cura, que ao longo dos tempo tem sido registado por Antropólogos, exploradores e Etnobotânicos, proibir a Ayahuasca ou a sua utilização para fins médicos e negar às pessoas o acesso adequado aos seus efeitos curativos pode ser interpretado como uma violação aos direitos humanos, uma questão séria que exige uma discussão cuidadosa e completa”.

Semelhante à forma como o cancro foi tratado com sucesso recorrendo ao Óleo de Cannabis, ou com vitamina B-17 do fruto damasco, está emergir uma possibilidade viável que a Ayahuasca é uma outra base de plantas, uma antiga cura de doenças encontrada em abundância neste novo mundo de consumo sintético.

Como muitos dos leitores deste artigo provavelmente devem saber, a Ayahuasca é uma antiga sagrada bebida psicoativa, com raízes profundas na prática xamânica sul-americana.

Desde pelo menos à 500 anos a.c, os xamãs sul-americanos têm utilizado a Ayahuasca para fins cerimoniais, e como medicamento com inúmeras funções.

Muitas pessoas acreditam que o DMT é criado na glândula pineal dos seres humanos quando sonhamos, quando nascemos e quando morremos. Os críticos desta teoria afirmam que não existe evidência para apoiar estas alegações, mas desde 2013, que estudos conduzidos na Universidade de Michigan, mostraram que na verdade a Dimetiltriptamina é produzida na glândula pineal de ratos, e dada a semelhança biológica que os mamíferos partilham, é muito provável que o DMT é sintetizado na nossa glândula pineal também.

De acordo com o Dr. Rick Strassman, autor do aclamado livro DMT-The Spirit Moleculeo corpo humano metaboliza rapidamente o DMT, de forma quase ansiosa para consumir a substância. A Serotonina, a principal fonte de prazer para os seres humanos, produzida diariamente no nosso corpo e cérebro, é 5-hidroxitriptamina (5-HT), quase quimicamente semelhante à Dimetiltriptamina. No entanto, o governo dos EUA classifica esta molécula que pode ser parte do nosso próprio ser, como um eu, uma droga altamente ilegal.

O DMT é uma substância muito complexa, com experiências complexas tidas por aqueles que a consomem, origens complexas, e muitas muitas funções. É da responsabilidade de cada um fazer a sua própria investigação com Ayahuasca e DMT, explicar isto com grande profundidade seria demasiado para este artigo.

Muitos de vocês que leram até aqui, provavelmente já sabem o que precisam de saber sobre a Ayahuasca / DMT, já que a sua popularidade está a aumentar rapidamente.

Adam Winstock, fundador da Global Drugs Survey, afirma que a droga tem “uma proporção maior de novos utilizadores” em comparação com outro tipo de drogas poderosas.

Ele diz e sugere “a sua popularidade pode aumentar”.

Deve ser anotado que a Ayahuasca / DMT possuem características semelhantes a quase nenhuma “droga”, excepto, talvez aos Cogumelos Psilocibinos.

Psilocin (o que a Psilocibina faz metabolizar em nós), é também quase idêntica aos produtos químicos existentes no nosso cérebro, metabolizada também rapidamente pelo nosso corpo, apresentando mais características de uma vitamina do que propriamente o de um agente tóxico.

Para os leitores deste artigo que ainda não sabem, a Ayahuasca é uma bebida composta por várias plantas psicoativas diferentes, incluindo Dimetiltriptamina contendo folhagem, inibidores da monoamina oxidase, que activam o DMT quando ingerido oralmente, neste caso a casca da raiz da videira do Caapi. A casca da raiz Caapi contém inibidores da monoamina oxidase e alcalóides de harmala.

O DMT da Ayahuasca é encontrado principalmente nas folhas da planta Psychotria Viridis, ou nas sementes da Arruda-da-Síria, ou em ambas. Similarmente à antiga rica história da Cannabis como medicamento, a Ayahuasca tem desempenhado um papel fundamental nas culturas indígenas da América do Sul, nomeadamente na floresta amazónica e no Peru, durante milhares de anos.

A Ayahuasca não é normalmente vista como uma ferramenta para o tratamento do cancro. Mais frequentemente, as pessoas decidem beber Ayahuasca ou ingerir DMT à procura de experiências de mudança de vida, epifanias, para visitar os cantos inexplorados da mente, na esperança de aliviar uma grande variedade de doenças e problemas psicológicos.

Na maioria das vezes, as pessoas que consomem Ayahuasca / DMT, relatam uma clareza mental extrema após a experiência, um difícil de explicar sentido de bem-estar. Como se as substâncias tivessem reorganizado o subconsciente e as áreas que são raramente utilizadas no cérebro do utilizador

Parece que simultâneamente com todas as outras formas, estamos a presenciar uma mudança no paradigma mundial, há uma mudança a decorrer no campo da medicina. Depois de cerca de um século a criminalizar plantas ou produtos naturais que alteram a mente, as pessoas parecem estar a tomar globalmente um interesse no tesouro da medicina botânica e da natureza, que deixou de ser escondida de nós e acusada de ser perigosa pelos defensores dos monopólios farmacêuticos.

Cientistas como Eduardo Schenberg vão certamente continuar com o seu trabalho, à medida que aumenta exponencialmente a popularidade para estas coisas.

Se passou a parte do artigo em que expliquei as características básicas da Ayahuasca / DMT, é porque já está familiarizado com ela, e provavelmente já faz parte desta mudança de paradigma.

Como não poderia deixar de dizer, é necessária mais investigação e uma análise desinibida do efeito da Ayahuasca em seres humanos, para compreendermos a sua eficácia no tratamento do cancro e sabe-se lá mais o quê. A Internet parece cada vez mais empurrar verdades para a superfície das mentes dos que prestam atenção, enquanto que informação falsa pode ser rapidamente desmascarada sem grande esforço. Este é o paradigma do nosso mundo em 2014.

Fontes:

  1. http://smo.sagepub.com/content/1/2050312113508389.full
  2. http://www.rawstory.com/rs/2014/01/27/scientist-says-psychedelic-brew-consumed-by-amazonian-shamans-could-fight-cancer/
  3. http://www.erowid.org/chemicals/ayahuasca/ayahuasca_basics.shtml
  4. http://ayahuascaguide.org/history-of-ayahuasca
  5. http://www.rickstrassman.com/index.php?option=com_content&view=article&id=54&Itemid=54